Métricas que todo Agile Coach deveria estar olhando

Tem algum tempo que escrevi um artigo falando sobre métricas ágeis para Scrum Masters ficarem de olho. Como William Deming sempre dizia, o que não se mede, não se gerencia e apesar do Scrum Master não ser um gerente, a sua posição de servo-líder lhe exige um olhar mais clínico da performance e saúde do time, o que facilita muito tendo métricas para se apoiar.

Mas enfim, e o Agile Coach?

O agilista a nível organizacional também precisa acompanhar métricas e elas podem inclusive serem compartilhadas com os Scrum Masters em um esforço coletivo de melhoria contínua, auxiliando na transformação da empresa como um todo. Quando estive quando estive quase dois anos à frente de uma grande transformação ágil em um banco gaúcho, eu usei de muitas métricas para acompanhar o progresso dos times e da transformação como um todo e a ideia deste artigo é compartilhar um pouco disso.

Roda Ágil

Essa ferramenta é muito interessante, tanto pro Scrum master quanto pro Agile Coach. A Roda Ágil é uma ferramenta criada por Ana G Soares, uma Agile Coach catarinense, que se inspirou na Roda da Vida do coaching profissional (uma das minhas dicas para se tornar um Agile Coach é fazer uma formação de coaching profissional).

Basicamente a roda é dividida em algumas seções e o coach aplicando a roda (individualmente ou em grupo) lê, explica e faz perguntas sobre aquela sessão, sendo que dependendo do formato de aplicação a(s) pessoa(s) responde abertamente ou apenas reflete sobre o que foi perguntado, escrevendo em um papel para organizar os pensamentos. Depois de algumas perguntas da mesma sessão, pede-se que o coachee (quem está passando pelo processo de coaching) dê uma nota para a situação atual do seu time em relação aquela seção.

Após passar por todas seções, pode-se colorir a roda de maneira que ela fique bem visual e os gaps apareçam facilmente, como na imagem abaixo.

Roda Ágil
Roda Ágil

Enquanto na roda original do coaching temos seções como Relacionamentos e Finanças, na Roda Ágil temos Pipeline e DevOps. Faz sentido, não? Eu particularmente uso uma versão pessoal que fiz, com menos áreas e focando no que deve trazer mais valor para o time no momento.

Com base no resultado da roda (que é apenas uma fotografia do momento), o Scrum Master pode identificar junto do time pontos a se trabalhar, ações e estratégias de melhoria, o que pode ser feito em uma Sprint Retrospective. Já o Agile Coach auxilia o SM e guarda o resultado da roda para conferência futura, para verificar se este time está conseguindo avançar ou não.

É importante nunca comparar um time com outro, pois o rigor e consequentemente a escala usada para pintar a roda pode variar entre os times. A Roda serve para o time se comparar consigo mesmo entre um ciclo e outro de melhoria.

Outra ferramenta parecida e que talvez você se interesse em usar é o Team Self-Assessment do SAFe. Segue a mesma ideia mas já inclui as perguntas , ou seja, é para ser feita de maneira individual e completamente introspectiva, enquanto que a Roda Ágil tem um fit maior com os princípios ágeis de transparência, colaboração, comunicação, etc. Ainda assim, pode ser uma opção, especialmente se você tiver times distribuídos.

Lean Enterprise Radar

Já que falei em SAFe, não posso deixar de citar o excelente Lean Enterprise Radar, fruto de um assessment muito bem construído pela Scaled Agile Inc. A ideia aqui é medir a empresa e não o time, então é uma ferramenta mais focada em gestores e executivos, para o Agile Coach aplicar.

Você já parou para pensar em que nível da sua transformação ágil sua empresa está hoje? Considerando 15 competências cheias de perguntas que derivam em um gráfico de radar, você pode ter esse diagnóstico mostrando como está a sua Cultura DevOps ou sua Governança Lean.

Lean Enterprise Radar
Lean Enterprise Radar

Como o Agile Coach muitas vezes vai ser um dos líderes da transformação e o principal facilitador da mesma no dia a dia, tirar essa fotografia junto aos gestores e executivos com alguma regularidade vai ajudar a identificar os principais ofensores à transformação e a evolução da mesma.

Talvez a organização não vá querer evoluir em todas essas frentes com a mesma intensidade, então adapte a ferramenta à sua realidade, embora a minha experiência mostre que Business Agility é isso aí mesmo.

Outro uso possível dessa ferramenta é combiná-la com um Modelo de Maturidade, construído a partir dos objetivos da empresa + resultado de um primeiro Lean Enterprise Assessment.

Nível de Maturidade dos Times

Quem me conhece sabe o quanto eu gosto de modelos de maturidade. Embora polêmicos dentre os agilistas é uma prática relativamente comum tanto entre metodologias tradicionais (CMMI) quanto ágeis. Os anos como Agile Coach profissional me mostraram que um modelo de maturidade bem construído ajuda e muito a dar o norte e o passo da transformação digital e/ou ágil de uma empresa.

Eu já escrevi bastante sobre esse assunto neste artigo sobre modelos de maturidade gamificados e não quero repetir por aqui. Como informação adicional eu recomendaria que você primeiro tirasse uma fotografia atual da empresa e dos times no que tange agilidade. Pode usar o Lean Enterprise Assessment que citei antes.

Depois da fotografia, defina onde queremos estar daqui há um ano em termos de Business Agility e Transformação Digital, olhando a fotografia e vendo o que faz sentido e/ou é alcançável com os recursos que queremos/podemos investir. No que tange Transformação Digital, sugiro se apoiar no Digital Transformation Framework da InfoQ, ilustrado na imagem abaixo.

Digital Transformation FW
Digital Transformation FW

Com essas informações em mãos, de onde estamos e onde queremos chegar em um ano, fica muito mais fácil de fazer o meu passo a passo de construção de modelo de maturidade gamificado que mostrei no outro artigo.

Ao término de cada ciclo, você pode realizar novos assessments, discutir se o plano ainda faz sentido (agilidade, afinal) e verificar a situação dos times frente ao modelo de maturidade: quantos subiram de nível no último ciclo, se algum caiu (se isso for possível no seu modelo), quantos novos entrantes surgiram, quantos se formaram (se não for um jogo eterno), etc.

Essas são apenas três ferramentas que podem gerar insights importantes para Agile Coaches liderando e/ou facilitando transformações ágeis e espero que lhe sirvam de inspiração.

Conhece mais alguma? Tem alguma dúvida sobre as apresentadas?

Deixe nos comentários!

* OBS: curtiu o post? Então dá uma olhada no meu livro de Scrum e Métodos Ágeis e/ou no meu curso sobre o mesmo assunto!

Curso de Scrum e Métodos Ágeis
Curso de Scrum e Métodos Ágeis

Publicado por

Luiz Duarte

Pós-graduado em computação, professor, empreendedor, autor, Agile Coach e programador nas horas vagas.