Startup, Lifestyle Business e Startup Lifestyle

lifestyleAcho que todo mundo já ouviu falar de startups na data em que escrevo este post. Estamos vivendo a terceira onda de empreendedorismo inovador no país e nunca esteve tão na moda ter uma startup com seus colegas de faculdade, serviço, etc.

Não há um consenso sobre o quê define exatamente uma startup, mas Steve Blank, um dos grandes gurus do Vale do Silício define como uma organização temporária criada para descobrir um modelo de negócio escalável em torno de um produto inovador, geralmente de tecnologia, e muitas vezes, web ou mobile. O temporário citado na frase se dá pelo fato de que no momento que sua empresa já está consolidada, já provou ser escalável, etc, você não é uma startup mais. Dessa forma, Google e Facebook, por exemplo, não são startups, embora ainda se afirmem como tal para soar cool no mercado.

Mas e um Lifestyle Business, o que seria? Já expliquei isso em outro post, mas basicamente é um negócio que lhe gera renda de maneira passiva, ou quase, automaticamente a partir de vendas de produtos pela Internet, geralmente digitais e de conteúdo, os famosos infoprodutos. Existem diversas maneiras de se criar lifestyle businesses e geralmente o seu objetivo não é se auto-empregar, mas sim gerar renda de maneira automática, sem ter de trabalhar pra isso, semelhante ao que os investidores fazem com dividendos de ações e renda fixa, mas sem um grande capital inicial para começar. Alguns autores, como Yaro Starak, chamam seu modo de trabalhar de Laptop Lifestyle, devido ao fato de que dependem unicamente de seu notebook para gerenciar seu lifestyle business de onde estiverem, tornando-os nômades digitais (como o brasileiro Marcus Lucas, entre outros) que ficam mochilando por aí enquanto seus negócios online geram renda para que não se preocupem em ter um emprego.

Existe ainda uma terceira denominação que confunde muito as pessoas e que tende a ser o limbo de quem não tem um objetivo definido com seu negócio inovador: uma Startup Lifestyle. Esse tipo de negócio não é escalável para ser uma startup (segundo diversas definições do termo, uma startup deve ser escalável), mas não é automático para ser um lifestyle business (se ele não for automático ou semi-automático, não é lifestyle, conforme definição do Tim Ferriss). Ele é chamado de Startup de Estilo de Vida, ou Lifestyle Startup, mas nada mais é do que um emprego, onde você é o chefe e o empregado ao mesmo tempo, hehehe.

Eu já passei por esses três tipos de negócios, além de já ter trabalhado como “empregado comum” também, e não há nada de errado com nenhum deles. Muitas vezes me perguntam o que é melhor, se é ter uma receita recorrente com teto baixo, mas ganhando sem esforço algum (lifestyle business); se é ter uma receita recorrente com teto médio, mas trabalhando bastante (startup lifestyle) ou se é ter uma possibilidade de receita futura grande, mas trabalhando bastante e cheio de incertezas (startup). Minha resposta é: a melhor opção para você é aquela que é o seu objetivo, ou seja, se você quer ter uma empresa inovadora e com um alto potencial de ganho, você terá de ralar muito em uma startup, provavelmente levantar investimento, etc.  Se o seu sonho é mochilar pela Ásia sem se preocupar em voltar para um emprego, você terá de construir um lifestyle business e amadurecê-lo até que lhe gere renda o suficiente para isso e de maneira automática.  Agora se você não quer ter um chefe e quer ter uma empresa, mas não quer ter muitos funcionários, por exemplo, uma startup lifestyle pode ser uma boa.

Particularmente me agradam mais as opções de ter uma startup ou um lifestyle business. Ou seja, ou eu trabalho muito pois tenho a chance de ganhar muito dinheiro, ou não quero trabalhar quase nada e ganhar uma quantia razoável. Na dúvida eu faço os dois. Atualmente tenho infoprodutos à venda que já venderam na faixa de 5 dígitos e um site que gera consistentemente 4 dígitos de receita todos os meses há vários anos. Ambos demandaram esforços iniciais variados para atingir esse patamar, mas hoje operam de maneira 100% automática, apenas gerando lucro. Além disso, trabalho em uma startup com um grande potencial de crescimento que se der certo, estou feito! 😀

E você, o que prefere e/ou o que já tem feito neste sentido? Se não quiser deixar nos comentários, entre em contato.

O que achou desse artigo?
[Total: 1 Média: 5]

Publicado por

Luiz Duarte

Pós-graduado em computação, professor, empreendedor, autor, Agile Coach e programador nas horas vagas.