Resenha – O Monge e o Executivo

Pra espanar um pouco a poeira do blog pensei em fazer essa recomendação de livro que li há poucos dias. Ok, o livro já não é novidade e mesmo eu tendo lido há pouco tempo eu já o conhecia há anos.

Quem me conhece sabe que sou um pouco cético quanto a esse tipo de livro que intitulo de “auto-ajuda profissional”, mas decidi largar o ceticismo de lado e comprá-lo por uma bagatela. Depois da leitura admito que valeu cada centavo. O intuito deste post é, além de resumir a obra sem estragar a diversão, falar um pouco da minha experiência com o mesmo.

O Livro

O Monge e o Executivo (The Servant nos EUA) é um livro pequeno, com 140 páginas aproximadamente. Sua fonte é mediana e o mesmo é organizado em capítulos, o que facilita a leitura para pessoas super atarefadas que não dispõem de longas horas para leitura. Eu particularmente lia um capítulo ou dois antes de deitar todas as noites. A leitura é agradável, em vez de nos descer goela abaixo centenas de teorias de liderança e administração, o autor nos conta uma “historinha” fictícia e que nos ajuda a compreender melhor os conceitos e até mesmo nos identificarmos mais com o livro. Em 12 anos o livro vendeu 200 mil exemplares nos EUA. Já no Brasil passou da marca 2,4 milhões de exemplares, se tornando o maior sucesso da história da Editora Sextante.

A História

O livro narra a história de John Daily, um executivo estadunidense que possui um cargo de liderança em uma grande empresa que fatura milhões. Ele é marido de um psicóloga e pai de dois filhos. O que aparentemente seria uma vida perfeita, profissional e pessoal, está em colapso.

John começa a notar que sua vida está ruindo, como líder, como marido e como pai. Aceitando a sugestão de sua esposa e do pastor local, John vai para um mosteiro em Michigan ficar uma semana com um grupo de monges para espairecer e para colocar sua vida em ordem. Na verdade o que chama a atenção do executivo (e que dá nome à versão portuguesa) é um monge do mosteiro chamado Simeão (nome este que tem um significado místico para John) que na verdade é Leonard Hoffman, um ex-empresário de sucesso que largou tudo e se dedicou ao mosteiro integralmente por ter encontrado a paz e a felicidade.

Simeão se torna o mentor de John e outros líderes que vieram para o “curso”, ensinando-os as virtudes de um líder verdadeiro, como amor, empatia, humildade e autoridade. Com diálogos cheios de referências históricas e frases de grandes pensadores, a narrativa é rica em detalhes e nos faz refletir sobre o nosso próprio comportamento, seja como líderes, maridos, etc.

Os Personagens

Além do personagem principal, John Daily, e do monge Simeão, existem outros colegas de retiro de John, entre eles um pastor, uma treinadora de baseball, uma enfermeira e um militar (acho que tem outros, mas já esqueci, hehehe). Embora os mais leigos acabem odiando o sargento (Greg) ele acaba se tornando um dos elementos principais da história, fazendo o papel de “do contra” e questionador da aplicabilidade das técnicas de liderança ensinadas por Simeão.

Quem realmente entende a história percebe que todos nós temos um pouco de “Greg”. Sinceramente se não existisse o personagem do militar no livro a leitura não seria tão proveitosa.

Fica aí a dica para quem não leu. Obviamente eu não sou o primeiro a indicar este livro e com certeza não serei o último.

O que achou desse artigo?
[Total: 6 Média: 3.2]

Publicado por

Luiz Duarte

Pós-graduado em computação, professor, empreendedor, autor, Agile Coach e programador nas horas vagas.