Lean Inception: concepção de produtos enxutos

A Lean Inception é uma técnica de concepção de produtos enxutos criada por Paulo Caroli, consultor da ThoughtWorks. É um método bem popular entre os agilistas brasileiros e é fortemente documentada nos livros Direto ao Ponto e Lean Inception (mais moderno, mas apenas em Inglês), do mesmo autor.

Caroli conta em suas palestras e livros que até então as inceptions (reuniões para concepção de um novo produto) duravam mais de um mês na TW e como Caroli atuava como consultor, não raro ele tinha de passar várias semanas por mês fora de casa, fazendo inceptions em clientes. No entanto, quando seu filho nasceu, ele decidiu que não mais ficaria tanto tempo longe da sua família e construiu uma técnica que, em apenas uma semana, é possível definir tudo que é necessário para se conseguir de fato tangibilizar um produto para que tenhamos insumos suficientes para o time de desenvolver começar a trabalhar.

Lean Inception, Sprint 0, Pré-Jogo…

A Lean Inception ocorre logo no início do projeto, no período que antecede a primeira sprint do time de desenvolvimento, período popularmente chamado de Sprint 0 ou Pré-Jogo. Embora o Scrum não aceite a existência de uma Sprint 0, é comum que isto aconteça de fato logo no início de grandes projetos onde a incerteza é tão grande que não vale a pena iniciar o desenvolvimento às cegas.

A ideia central da Lean Inception é fornecer momentos únicos de interação entre os membros do time e os stakeholders para definição dos conceitos elementares do produto, suas funcionalidades, jornadas do usuário, escopo das entregas, roadmap, etc. Tudo em uma semana muito intensa onde a cada dia novas atividades são realizadas e documentadas.

A ideia deste artigo é dar uma resumida no processo completo, cabendo aos interessados em aplicar esta dinâmica na prática buscar os livros do Caroli ou os treinamentos dele e dos treinadores certificados, como a Mayra Souza. O resumo do treinamento que fiz com esta última pode ser visualizado no vídeo abaixo.

Dia 0: Antes de Começar

O trabalho da Lean Inception começa antes do primeiro dia de dinâmicas. Você terá de montar um grupo heterogêneo de profissionais que possam colaborar com a definição do MVP do produto (objetivo final da inception) ou que estejam diretamente interessadas na construção do mesmo (usuários-chave ou stakeholders, por exemplo). Converse individualmente com cada uma destas pessoas e faça o convite pessoalmente, explicando a importância do comparecimento em todos os dias, como que funciona o processo, etc.

Monte uma lista de emails contendo o contato de todos os membros do grupo e dias antes da inception já comece a lembrá-los de que ela vai começar em breve. Certifique-se que seu grupo tenha até 30 pessoas e que tenha facilitadores suficientes para dar conta desta galera toda, em média 1 facilitador para cada 10 pessoas. Os facilitadores não executam as atividades, apenas conduzem, sem influenciar. Também garanta que todos os perfis abaixo estejam presentes neste grupo:

  • Product Owner do produto;
  • Scrum Master do time (geralmente um dos facilitadores);
  • profissionais técnicos do time (programador, analista, etc);
  • profissionais criativos de UX, UI, marketing, etc;
  • profissionais das áreas de negócio da empresa;
  • profissionais das áreas de atendimento da empresa;
  • usuários-chave do sistema;

Dia 1: Segunda-feira

Como a inception dura a semana inteira, o ideal é que ela comece em uma segunda-feira, para que não aconteça quebra de raciocínio. Mande um email reforçando o início da inception para todos os convidados e tenha um ambiente minimamente dedicado para que a dinâmica aconteça todos os dias no mesmo local e com os mesmos materiais, para que nada se perca entre cada um dos dias.

No primeiro dia as regras da inception são explicadas e em alto nível o que é a ideia do produto (geralmente o Product Owner dará este briefing). Geralmente pede-se que todos os membros do grupo se apresentem, expressem suas expectativas e faz-se uma dinâmica de energização para quebrar o gelo e animar o pessoal. Paulo Pontual, Zip-Zap-Zum, entre outras são sugeridas.

São formados grupos de trabalho, geralmente de 2 a 5 e na parte da manhã a primeira atividade é escrever a Visão do Produto. Cada time escreve a sua visão usando o template abaixo:

Para [cliente final],

cujo [problema que precisa ser resolvido],

o [nome do produto]

é um [categoria do produto]

que [benefícios-chave, razões para comprá-lo].

Diferente do [alternativa de mercado],

nosso produto [diferença-chave].

Depois, cada grupo apresenta a sua versão da visão do produto e ao término das apresentações, consolida-se em apenas uma só, gerando debates para que esta consolidação gere o melhor resultado. Documente a Visão do Produto com fotografias, isso será útil mais tarde, e preferencialmente transcreva-a para um cartaz que deverá estar fixo na sala da dinâmica a semana inteira.

Product Vision
Product Vision

Na parte da tarde (que tal uma energização após o almoço?) faz-se a dinâmica de definição do produto, também chamada de É-Não É, Faz Não-Faz. Aqui a ideia é que cada grupo trabalhe em um cartaz dividido em 4 quadrantes: É, Não É, Faz, Não Faz.

É-Não É-Faz-Não Faz
É-Não É-Faz-Não Faz

Em cada quadrante os membros do grupo discutem o que o produto é, o que ele não é, o que ele vai fazer e o que ele não vai fazer. Depois que cada grupo cria as suas definições individualmente, novamente cada grupo apresenta e o resultado final é consolidado em apenas uma versão após várias rodadas de discussão envolvendo cada quadrante.

As evidências destas duas dinâmicas são enviadas a todo o grupo no final do dia, bem como quaisquer outras fotos tiradas e uma descrição rápida de como o dia passou. Caso não seja possível deixar os cartazes consolidados nas paredes da sala, o facilitador deve guardar os mesmos para que seja possível manter o histórico da dinâmica completa.

Dia 2: Terça-feira

Começa-se o segundo dia reforçando o compromissos com todos via email, antes mesmo da dinâmica começar. Quando a dinâmica começa de fato, após a energização/quebra-gelo (sim, sempre faz-se uma no início do dia) inicia-se uma recapitulação do dia anterior, mostrando o produto final das dinâmicas de Visão do Produto e da É-Não é-Faz-Não Faz, para que todos estejam na mesma página novamente.

Uma vez que temos em alto nível os conceitos mais fundamentais do produto, é hora de falarmos de quem vai usá-lo/comprá-lo: as personas. As personas são arquétipos de usuários-chave típicos do produto. Cada produto possui no mínimo uma persona, enquanto que alguns podem possuir várias.

Cada grupo de trabalho pega uma persona para trabalhar, preenchendo um cartaz com os quatro quadrantes sobre a persona que escolheram:

  • nome e retrato: qual o nome ou apelido deste usuário-chave do produto? como ele se parece, se veste, etc?
  • perfil: idade, nacionalidade, etnia, renda, formação, profissão, etc
  • comportamentos: hobbies, crenças limitantes, crenças fortalecedoras, etc
  • necessidades: o que ele está buscando? Quais as suas dificuldades? As suas “coceiras”? As suas aspirações?
personas
personas

Uma vez que um produto pode ter várias personas, pode ser que cada grupo fique com uma diferente, não havendo necessidade de consolidação. Caso alguma persona se repita, deve-se consolidar os resultados obtidos para a mesma persona. De qualquer forma, cada grupo apresenta aos demais os resultados obtidos.

No mesmo dia, na parte da tarde, é hora de fazer a Descoberta das Features. Uma feature ou funcionalidade é a descrição de uma interação do usuário com o produto ou alguma ação que o sistema é capaz de realizar. As descrições das features devem ser simples e sem entrar em detalhes técnicos.

Para fazer esta descoberta de features existem diversas dinâmicas possíveis, desde simples brainstormings até entrevistas com usuários-chave. A técnica sugerida pela Lean Inception é fazer uma matriz onde cada coluna é algo que o sistema faz (lembra do Faz-Não Faz?) e cada linha é uma persona. O cruzamento das personas com o que o produto faz deve induzir às features necessárias.

Personas x Features
Personas x Features

Note que esta matriz é para ajudar o raciocínio para a descoberta de features, não para limitar a criatividade das pessoas nem para obrigar a fazer todas as combinações de coisas que o produto faz com as personas existentes. No entanto, é sempre interessante descartar features neste momento que de fato não auxiliem na resolução de nenhuma necessidade das personas, direta ou indiretamente.

Ao final do dia, tiram-se fotos dos cartazes das personas e do resultado da descoberta de features. É interessante também adicionar uma numeração nas features para facilitar a organização posterior. Envia-se um email a todos envolvidos com as evidências da dinâmica.

Este artigo ia ficar muito grande, resolvi quebrar em duas partes, sendo que a segunda parte está neste link. Para se aprofundar no assunto, leia o livro do Caroli, abaixo. Para mais conteúdo sobre Métodos Ágeis de desenvolvimento de software, recomendo o meu livro Scrum e Métodos Ágeis: Um Guia Prático. E se quiser um treinamento em Lean Inception para sua empresa ou instituição de ensino, entre em contato comigo.

O que achou desse artigo?
[Total: 7 Média: 3.7]

Publicado por

Luiz Duarte

Pós-graduado em computação, professor, empreendedor, autor, Agile Coach e programador nas horas vagas.